A mistura apimentada de música e tecnologia do Jalapeño

[por Andréia Martins]
No México existe uma iguaria que mexe com o paladar e a mente de quem a experimenta: a pimenta jalapeño. Em solo brasileiro, um trio de mesmo nome segue provocando as sensações mais diversas, misturando computadores, sintetizadores, samples e tradicionais instrumentos como baixos, bateria, guitarras, acordeon, percussões, etc, para causar o mesmo impacto em quem ouve a sua música. Estamos falando da banda instrumental Jalapeño.
O Jalapeño Project começou como um duo, em 2007. Paulo Kishimoto (foto abaixo) e Pedro Prado decidiram se reunir para fazer música, já que estavam num período sem muito trabalho, dividindo a mesma república e tinham muita afinidade musical. Pouco tempo depois, o duo tornou-se trio, contando com a participação de Gustavo Mazon.
“Quando decidimos começar os primeiros shows, vimos que para executar as músicas compostas no computador e gravadas por nós mesmos através de sobreposição (overdub) precisaríamos de um terceiro músico para que o computador não estivesse tão presente ao vivo.  O entrosamento rolou e agora somos um trio”, conta Pedro em entrevista ao Palco Alternativo.
De lá pra cá o Jalapeño lançou um disco, Verde. Quem acha que o nome tem algo a ver com meio-ambiente ou algo do gênero, engana-se. Na verdade, o disco leva esse nome por dois motivos: trata-se de uma referência ao início de uma ideia que não está totalmente desenvolvida, madura, ou seja, verde, e outra porque o tipo de jalapenõ mais comum é a verde.
Ao todo são 9 músicas, cada uma com uma sonoridade e influências específicas. Algumas até parecem pedir uma letra, tamanha a sintonia (como a ótima ScrewJujuba), em outras, alguns instrumentos diferentes se combinam num perfeito match, como a guitarra- cadenciada – e o acordeon em Jeca Global. Em comum, todas as canções tem aquela vibe de viagem, e eu não falo de cair na estrada, transitando entre o jazz, pop, lounge, o psicodélico e sons mais dançantes.
Paulo toca no Cena Independente, festival realizado em 2009 em SP
O disco contou com  o produtor argentino Gonzalo Rainoldi. “Chegamos a ele através de amigos do Paulo que nos mostraram alguns artistas que tinham masterizado o disco lá nos Estúdios Quark com o Gonzalo. Como gostamos da sonoridade desses trabalhos achamos que seria uma boa opção masterizar o disco lá também”, conta Pedro.
Com o disco pronto, a banda disponibilizou o download em diferentes formatos, no próprio site. Há opção para baixar de graça e a de pagar por um arquivo com mais qualidade.
O feel orgânico
O detalhe notável no trabalho do Jalapeño é o uso da tecnologia sem alterar a essência ou deixar a música superficial, algo muito possível quando se usam muitos programas de computador. Segundo Pedro, essa foi a grande sacada da banda: descobrir que até mesmo os programas de computadores mais novos se preocupavam com esse lado orgânico, e que eles poderiam ser usados de um jeito diferente, sem soar técnico demais.
“Nossa ideia era que o computador pudesse, de alguma forma, substituir ‘os músicos que faltavam’. O processo se deu naturalmente e uma das  razões pela qual as ‘partes tecnológicas’ da nossa música não soam artificias é porque todos os loops foram tocados por nós mesmos, gravando instrumentos reais. Não usamos praticamente nenhum loop pronto, tudo foi tocado”, explica Pedro.
Quanto ao vocal – ou melhor, à falta dele – Pedro conta que a banda “usou bem pouco a voz em alguns pequenos trechos. Mas não somos cantores e, por enquanto, a ideia não é tocar canções. Fora isso também não somos bons letristas. Mas nada que esteja totalmente vetado, de repente pode ser interessante”.
Para 2010, o foco  é o novo disco. Como além do Jalapeño o trio se divide entre os trabalhos no Jalapeño Verde Studios, onde fazem gravações de discos demo e shows, e acompanhando outras bandas por aí, o disco pode demorar a sair.  Enquanto isso,  quem quiser ouvir pode conhecer mais desse som apimentado no my space ou no site oficial  do Jalapeño.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s